Em áudio, Carla Zambelli revela esquema de compra de votos para aprovar reforma da Previdência

Sem classificação

Em áudio divulgado na noite desta sexta-feira (17) no Twitter pela deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP), a parlamentar bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP), líder do movimento Nas Ruas, revela que o governo Jair Bolsonaro comprou votos para aprovação da Reforma da Previdência.

“Todos os deputados que votaram a favor da Reforma da Previdência tiveram alguma verba, que poderiam tirar de alguns ministérios para mandar para alguma cidade”, diz a deputada bolsonarista em áudio para Marcos Palermo, Secretário de Saúde de São Carlos, no interior paulista.

Em outro áudio vazado Palermo cobrou da deputada uma promessa de envio de R$ 500 mil para a saúde na cidade. “Até agora a Carla (Zambelli) não mandou o dinheiro, tá?”, diz o secretario para um dos assessores da parlamentar.

Palermo afirma ainda que a deputada, até agora, “enrolou”. “Nós entramos em contato com a assessoria, pedimos. Eu não sou político, não tenho que passar por isso, certo? Fez foto comigo, fez matéria comigo, me tirou da minha casa em um sábado, fui lá, fui na Santa Casa. Ela prometeu pra mim pra Santa Casa e até agora nada”.

A deputada federal Carla Zambelli (PSL) esteve em visita a São Carlos, em junho de 2019. Na ocasião, de acordo com matéria do São Carlos Agora, que inclui entrevista da deputada, acompanhada pelo próprio Marcos Palermo, ela prometeu destinar os R$ 500 mil para a Saúde da cidade.

No áudio divulgado por Sâmia Bomfim, Carla Zambelli justifica o motivo de ainda não ter enviado o dinheiro para a cidade do interior paulista. “Infelizmente, o deputado no primeiro mandato não tem verba, no primeiro ano de mandato”, antes de revelar que só conseguiu a verba, “de mais de R$ 5 milhões para a saúde no Estado”, pela verba suplementar distribuída pelo governo Jair Bolsonaro via ministérios para comprar votos para a reforma da Previdência.

Joice Hasselmann

A planilha de monitoramento dos votos comprados era coordenada pela então aliada, a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), que era a líder de Jair Bolsonaro no Congresso.

Segundo reportagem do Uol em julho do ano passado, Joice fez o monitoramento dos votos, anotando os nomes de de deputados que prometeram votar favoravelmente à reforma da Previdência, mas que traíram o acordo.

À época, o governo prometeu uma verba suplementar de R$ 20 milhões para cada parlamentar – além dos R$ 15,4 milhões que cada um deles têm direito em emendas individuais.

Caso o parlamentar votasse contra a reforma, além de cortar os extras de R$ 20 milhões, o governo colocaria no fim da fila as emendas normais.

“Somado a diversas manifestações públicas de parlamentares e também do governo, o áudio de Carla Zambelli revela que a reforma da previdência só foi aprovada a partir da liberação de dinheiro público para compra de votos. Um verdadeiro esquema sujo de ‘toma lá, dá cá’, tuitou Sâmia.

Segundo ela, a bancada do PSOL abriu inquérito no MPF para verificar a liberação de mais de R$ 444 milhões em emendas sem autorização.

“A integralidade da votação da reforma da previdência está em cheque. É inadmissível que dinheiro público seja usado para influenciar o processo legislativo”.

Spread the love

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *